quinta-feira, 26 de junho de 2008

Políticas públicas (e midiáticas) para a promoção da higiene

Caríssimos, é muito bom poder me dedicar a escrever algumas palavras a vocês novamente. Creio que nossos encontros se darão de forma menos esporádica, já que finalmente entrei de férias da faculdade. Ainda não sei minhas notas, mas espero ter conseguido aprovação em todas as matérias. Mas chega de conversa e vamos ao que interessa!

Hoje gostaria de abordar um tema sobre o qual nunca tratei antes, mas já deveria tê-lo feito: a questão da higiene. E o que me motiva a escrever sobre o assunto são duas questões: a educação que tive em casa e na escola, em contraste com o que tenho visto acontecer em banheiros de locais públicos atualmente.

Recebi quando criança uma educação muito sólida no que diz respeito à higiene. Fui ensinado desde pequeno a lavar as mãos ao sair do banheiro, ao chegar da rua, antes das refeições e do manuseio de qualquer alimento. Lembro que a higiene não guarda relação com classe social, e sim com a educação. Posso até me arriscar a afirmar que a professora de escola pública tem as mesmas condições de ensinar sobre a necessidade de lavar as mãos com sabão que a professora de escola particular. A mãe de baixa renda tem também essa mesma possibilidade, frente a uma mãe mais abastada. Vejo pessoas saírem do banheiro sem lavar as mãos, ou o fazendo só com água (o que não mata germe algum, pelo contrário), independentemente de seu grau de instrução ou quantidade de dinheiro na conta bancária.

Ou seja, milhares de pessoas, de todas as camadas sociais, adquirem infecções intestinais e outras patologias devido a uma falta de hábito crônica, um descuido na educação. Ao não utilizar o sabão após o uso do banheiro, a pessoa manuseia alimentos com todas as bactérias com as quais teve contato no momento anterior. Se o alimento for consumido só por ele, o mal atinge apenas uma pessoa. E se ele for o cozinheiro de um restaurante? Afetará a ele e espalhará o mal numa progressão assustadora. Resultado: pessoas doentes, com a qualidade de vida prejudicada, mais idas ao hospital, mais faltas ao serviço. Ou seja, o cuidado com a higiene, além de trazer benefício social, importa também em maior produtividade ao empresário, que verá menos funcionários ausentes ao serviço. Será que não seria hora de dedicar mais atenção à higiene?

E por que então não divulgar campanhas massivas de educação sobre o assunto? Fora algumas tentativas esparsas com matérias em jornais e revistas e um ou outro programa televisivo que ensina boas dicas, geralmente em caráter técnico e não contextualizado, a sociedade parece lavar as mãos a respeito do tema.

7 comentários:

Camilinha disse...

Concomitantemente, deveria existir um PAC para acelerar as obras de infra-estrutura sanitária para as tantas e tantas cidades brasileiras carentes de educação e tubulação de esgoto.


beijos daqui...

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Você não vem me ver, estive doente, fui operada, e fiz um post a todos de agradecimento. pôxa, vem me ver, vem, vem...
Beijinhos,

wwwrenatacordeiro.blogspot.com

Alex Alves disse...

Camilinha, você tem toda a razão. O assunto que mencionei diz respeito apenas a um olhar mais atento por parto do governo e da mídia para o incentivo a atitudes individuais positivas nesse sentido. Mas a parte estrutural, de maior porte, essa sim cabe inteiramente ao Governo. E cobraremos pela sua implementação! :)

camila disse...

Higiene é super importante... principalmente para a saúde!
E a minha xará disse bem, saniamento básico é primordial!
Beijo
=]

Maicom disse...

Realmente. A higiene não está condicionada às classes sociais que, hoje, temos por aqui.
Muito bom, o blog.
Grande abraço.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Vim agradecer-lhe a sua visita no meu Blog nesse momeno delicado que estou atravessando. A químio tira a força, mas eu consigo renová-la não sei como. Não desanimo. Enquanto fico de resguardo, fiz um novo post, As pontes de Madison. Apareça:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com/
não há ponto depois de www
Um beijo,

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Amigo, rogo-lhe ajuda. Acordei bem hj, apesar da químio, e fiz uma resenha sobre o filme "A Outra" em cartaz em Sâo Paulo. Como não posso sair de casa, importei-o. Trata-se da história do triângulo amoroso entre Henrique VIII, Ana Bolena e a irmã desta, Maria. Apareça aqui:
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
não há ponto depois de www
Um beijo,

Lá vc encontrará um soneto meu